18 de junho, Dia do Orgulho Autista

18/06/2021TEA no Dia a Dia0 Comentários

Data criada pelo grupo Aspies for Freedom em 2005 celebra a neurodiversidade e valoriza diferenças

Valorizar as diferenças e celebrar a neurodiversidade estão no foco do Dia do Orgulho Autista, comemorado em 18 de junho desde 2005, quando foi criado pelo grupo Aspies for Freedom. “É importante para nós passarmos um dia no ano curtindo nosso autismo com nossa família e amigos, seja online ou offline, porque pode haver tanta divulgação negativa na mídia sobre o autismo, que sentimos ser importante reequilibrar com eventos positivos”, diz o site do grupo.

O termo aspie faz referência a autistas leves, que precisam de pouco suporte. A palavra é muito usada nos países de língua inglesa como uma contração de Asperger, síndrome que ainda é utilizada para diagnosticar autismo leve.

O uso de síndrome de Asperger como diagnóstico, no entanto, deve deixar o vocabulário médico oficial sobre autismo a partir da entrada em vigor da CID 11, em 1º janeiro de 2022. O novo documento vai classificar os autistas a partir de uma escala de comprometimento gerado pelo transtorno, em vez de diferentes síndromes. Ainda assim, aspie é atualmente um termo que reforça a identidade de um grupo dentro da comunidade autista. E é sobre identidade que falamos quando nos referimos ao 18 de junho e à celebração do orgulho autista.

Neurodiversidade se refere à variedade de composições neurológicas dos seres humanos

As diferenças entre os seres humanos também se manifestam a partir da variedade neurológica. Essa é a base do pensamento em torno do conceito da neurodiversidade, cunhado pela socióloga Judy Singer no final da década de 1990.

Para tornar a ideia mais clara, Judy faz um paralelo com o conceito de biodiversidade, que se refere à imensa variedade de seres vivos no planeta. Todos nós somos neurodiversos, assim como todos os seres vivos são parte da biodiversidade. Não se diz que o leão é um mamífero e a margarida é biodiversa. Com os humanos, vale a regra: somos todos neurodiversos.

“Se neurodiverso se tornar um sinônimo de pessoa com deficiência”, alerta Singer, “em vez simbolizar a incrível maravilha da variação natural, vai rapidamente se tornar um estigma, ser desvalorizado e perder o poder como um símbolo de união”. Por trás deste pensamento está a ideia de que autistas não são doentes, apenas diferentes, por possuírem características únicas que devem ser consideradas na organização da sociedade – nas escolas, no sistema de saúde, no sistema jurídico, nos transportes etc.

Lei Berenice Piana fortaleceu direitos dos autistas, mas embates jurídicos ainda são necessários

A celebração da neurodiversidade e do orgulho autista passa também por evitar o capacitismo, o preconceito direcionado às pessoas com deficiência. Autistas foram oficialmente considerados pessoas com deficiência no Brasil após a aprovação da Lei Berenice Piana, em 2012.

A lei, de nº 12.764, estabelece o direito dos autistas ao diagnóstico precoce, a tratamentos, terapias e medicamentos fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), além do acesso à educação e à proteção social, ao trabalho e a serviços que proporcionem a igualdade de oportunidades.

A partir da sanção do texto, os autistas passaram a ser incluídos nas leis específicas de pessoas com deficiência, como o Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei 13.146/2015), e também nas normas internacionais assinadas pelo Brasil, como a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (Lei 6.949/2000).

Autistas e seus familiares ainda enfrentam, no entanto, dificuldades para obter acesso de forma plena aos serviços de saúde e educação e precisam recorrer à Justiça com frequência para garantirem direitos básicos seus ou de seus filhos.

É possível reforçar o orgulho autista incorporando hábitos simples ao dia a dia

Muito além de mecanismos jurídicos, há uma série de atitudes cotidianas que contribuem para reforçar o orgulho autista. São hábitos simples que podem ser incorporados tanto por pessoas atípicas, para reforçar sua identidade, como por neurotípicas (aquelas sem diagnóstico de qualquer tipo de transtorno), que queiram se aliar ao fortalecimento da comunidade autista.

Essas rotinas são importantes para combater o capacitismo no dia a dia. Uma delas é acompanhar perfis de influenciadores autistas e de pais e mães influenciadores da comunidade para ficar por dentro das principais questões discutidas pela comunidade e do trabalho de conscientização diário realizado nas redes sociais.

Outra opção é assistir a filmes e séries de TV que abordam o autismo e escolher livros escritos por autistas, por pais e mães da comunidade e obras que colocam o público infantil em contato com tema.

Pesquisas indicam que produções culturais sobre autismo ajudam a reduzir estigma e ampliar inclusão

Entre as séries de TV, um dos destaques é Amor no Espectro, uma série sobre relacionamentos amorosos entre autistas. Há também o especial Douglas, da humorista Hannah Gadsby, em que ela conta como descobriu na idade adulta que é autista e que sinais do transtorno já havia apresentado ao longo da vida. Entre os autores de livros, o destaque é Naoki Higashida e seu O Que Me Faz Pular, que ajuda a revelar como vive e o que pensa um autista não verbal.

Pesquisas indicam que o contato com produções culturais sobre o autismo torna as pessoas mais empáticas e interessadas sobre o tema do que uma palestra. A exposição a informações sobre o transtorno em uma linguagem leve, como a do entretenimento, ajuda a reduzir o estigma em torno dos autistas e seus famiiares e facilita a inclusão na sociedade.

Na lista de influenciadores, um dos destaques é o perfil no Instagram do ativista @lucas_atipico. Lucas indica perfis de outros autistas para seguir, explica termos básicos sobre o transtorno e aborda os temas de discussão mais atuais da comunidade.

Um dos debates mais recentes levantados no perfil foi sobre o uso do símbolo do quebra-cabeça, que usualmente representa a comunidade autista. É este inclusive o símbolo que passou a ser adotado como sinalização em transportes públicos e estabelecimentos para indicar assentos demarcados e o respeito à prioridade no atendimento.

Lucas argumenta que o símbolo mais adequado para representar o autismo é o símbolo do infinito colorido, que representa a neurodiversidade e também o Dia do Orgulho Autista, por ter sido elaborado pelos próprios autistas. Em uma enquete no perfil, ele pediu, entre outras coisas, que os seguidores autistas contassem um motivo pelo qual se orgulham de si mesmos. Confira algumas das respostas:

– Estou conseguindo encarar de frente minhas compulsões alimentares e validar cada uma;
– Consegui fazer minha primeira otoscopia sozinha, conseguindo tocar no paciente;
– Tive uma conversa descontraída com o pessoal do trabalho;
– Ter conseguido finalizar um trabalho dentro do prazo;
– Decidir mudar de carreira aos 35 anos, após o diagnóstico de autismo;
– Finalmente consegui ir em uma loja e escolher roupas por mim mesma, antes era minha mãe;
– Por ter conseguido abraçar minha mãe. Sei que foi importante para ela.

Após a pesquisa, Lucas fez um desabafo. “Fiquei muito feliz com o resultado. É muito bom poder propiciar algo que eu passei a vida toda sentindo falta… identificação. Nós, autistas, não podemos nos contentar em sermos tratados como um objeto. Cadê as coisas feitas para nós? Só há coisas sobre nós e isso não é justo. Essa causa não é sobre nós, ela é nossa. Me diverti e me orgulhei ainda mais por ser autista.”

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.