Manuella, 4 anos: explorando a música e as brincadeiras de “faz de conta”

20/03/2019 | Histórias | 5 Comentários

Após o susto inicial do diagnóstico, família estruturou uma agenda de atividades para ajudar a desenvolver todo o potencial da menina.

Manuella é uma sorridente menina de 4 anos, que se diverte em atividades com texturas, adora bonecas e brincar de faz de conta. Filha de Dione e Daiana Souza Camilo, em casa ela representa a superação, e mostra que é preciso entender que toda criança com TEA tem muito a desenvolver, basta acreditarmos nelas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que uma menina é diagnosticada com autismo para cada quatro meninos. A prevalência menor, no entanto, não diminui os desafios das meninas e mulheres com TEA. Mas Manu não deixa de superar seus limites e cativar a todos com uma gargalhada contagiante.

Daiana Camilo, mãe da pequena Manu, conta que acolheu o diagnóstico de forma rápida, apesar do medo do desconhecido e da pouca informação sobre o autismo. “Nós não relutamos, porém ficamos com muito medo, por não conhecermos nada sobre o TEA. Tínhamos uma imagem do autismo como uma coisa muito severa, muito agressiva, e por isso veio um medo da Manu não ser uma criança independente, dela não se desenvolver. No início isso assustou muito a gente, mas como foi diagnosticado muito cedo foi possível correr atrás do máximo de coisas para ajudá-la”, contou Daiana.

O pai de Manu, Dione Camilo, conta que a rotina da família é bem corrida, e que toda a agenda deles foi pensada para que pudessem oferecer as melhores opções para a pequena. “A Manu acorda super cedo, por volta das 6h da manhã, e já vai para uma clínica onde faz terapia até as 11h. Depois voltamos para casa, dou banho, faço o almoço e a levo pra escola, espero o intervalo, para trabalhar um pouco, todos os dias”, revela.

 

Diagnóstico precoce ajudou a Manu superar dificuldades e explorar novos interesses.

Daiana revela ainda que algumas dificuldades que a menina enfrentava no passado hoje em dia se tornaram brincadeiras de uma forma leve e divertida. “Ela gosta muito de brincar com texturas, com massinha de modelar, com tinta e com bolinha de gel, que era uma coisa que ela tinha dificuldades antes. Ela também está muito musical, gosta de brincar com música, e agora ela tá pegando um interesse muito grande por boneca, brincadeira de casinha, brincadeira de “faz de conta”, relembra.

Para o pai, a Manuella representa superação, mostrando que ela é capaz de muita coisa. “ Ela mostra pra gente que ela é muito mais esperta do que a gente acredita, do que a gente pode imaginar, ela nos surpreende todo dia. É preciso acreditar no potencial deles Eles só precisam que alguém pegue na mãozinha deles e mostre o caminho, porque eles têm capacidade para ser o que eles quiserem. Nós estamos fazendo de tudo para que ela viva os sonhos dela”, comenta emocionado.

Manu e sua família fazem parte do projeto fotográfico “Meu Super-Herói”, uma homenagem do Autismo e Realidade ao Dia Mundial da Conscientização do Autismo, comemorado em 02 de abril. A data marca um movimento de sensibilização da população mundial sobre o autismo, um transtorno no desenvolvimento do cérebro que afeta cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo, dois milhões apenas no Brasil. A exposição ficará disponível para visitação pública de 02 a 30 de abril, na no piso intermediário da Estação Paulista, da linha 4-Amarela de Metrô de São Paulo.

5 Comentários

  1. Daiana de Souza Camilo

    Minha filha é um anjo lindo, que me ensina todos os dias o significado das palavras superação e amor!

    Responder
    • Karina Souza

      Vocês são pais incríveis Dai e Dione!
      Obrigada por compartilharem com a gente a experiencia de voces com a Manu desde sempre. Aprendemos muito também e graças a vocês. A Manu realmente é muito muito muito amada e surpreende a todos a sua volta. Amamos, mesmo aqui de longe,a familia de vocês e que saudades das meninas juntas!
      Obrigada de novo e parabéns por tudo que sempre fizeram pela pequena!
      Beijos

      Responder
    • Rosemeire Esmerino dos Santos

      Bato palmas para estes pais, Dai e Dione. Aprendo muito com suas publicações. O interessante é a conscientização de que me agrega muito na minha vida como ser humano. Que não é preciso ter um caso na família e sim entender que as diferenças contribuem muito no meu desenvolvimento. Cada publicação tem feito em mim uma pessoa melhor A superação e o amor é nítido. Amo vocês, por isso compartilho.

      Responder
  2. Neliana Souza Paixão

    A Manu é mais do que uma criança, é um presente de Deus, uma lição de vida. Impossível não se apaixonar por sua espontaneidade e seu sorriso. Amo, amo, amo.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *