Os símbolos do autismo

22/03/2019 | Entendendo o TEA | 0 Comentários

Cor azul e quebra cabeças são elementos ligados à conscientização sobre o TEA

O Transtorno do Espectro Autista é uma condição que acomete cerca de 70 milhões de crianças e adultos no mundo todo segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A mobilização de pais, profissionais de saúde e cuidadores para promover uma melhor qualidade de vida para os portadores deu início a organizações, instituições e também a símbolos ligados aos transtornos. Os quatro principais são:

 

Cor azul

Representa a maior incidência de casos no sexo masculino. Dados da OMS apontam que os meninos representam 80% do total de crianças diagnosticadas com TEA. Por isso, o azul costuma estar presente em iniciativas sobre os distúrbios como a iluminação com luz azul de prédios e monumento em 02 de abril, o Dia Mundial de Conscientização do Autismo.

 

Símbolos representam a diversidade de expressões do espectro autista.

 

Quebra cabeça

Representa a complexidade dos transtornos que foram o espectro autista. O logotipo da peça de quebra-cabeça foi usado pela primeira vez em 1963 e foi popularizado pela entidade norte americana Autism Speaks (link https://autismspeaks.org). Eles o usam para simbolizar a ideia de que pessoas autistas são difíceis de compreender (como um quebra-cabeça).

 

Fita de conscientização

A fita do quebra-cabeça foi adotada em 1999 como o sinal universal da conscientização sobre do autismo. As peças em diferentes cores representam a diversidade de pessoas e famílias que convivem com o TEA. As cores fortes representam a esperança em relação aos tratamentos e ao acolhimento dos portadores pela sociedade em geral. É muito usada para identificar locais onde pessoas com TEA são bem-vindas.

 

Logotipo da neurodiversidade

O sinal do infinito nas cores do arco-íris foi colocado como uma alternativa para o quebra-cabeça. O logotipo celebra a diversidade de expressões dentro do espectro e é um motivo comum no movimento de inclusão das pessoas com TEA.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *