Treinamento de cães para pacientes autistas

28/01/2022TEA no Dia a Dia0 Comentários

Animais percebem o mundo de forma sensorial e podem ajudar a simplificar a expressão de emoções

Atualmente, existem diversos cães treinados para serem coterapeutas de pacientes autistas, auxiliando nas dificuldades de socialização, linguagem e estereotipias comuns dentro do espectro.

Os cães terapeutas podem trazer um aumento da socialização, redução de estresse, atenuação dos problemas de fala, diminuição do comportamento agressivo e melhora na coordenação motora.

Acredita-se que a presença de animais pode auxiliar no desenvolvimento do foco de atenção e estimular a comunicação, já que os animais e os autistas percebem o mundo de modo sensorial. Sendo assim, a presença de cães treinados com esse objetivo simplifica a expressão das emoções, principalmente as empáticas, na qual o sujeito consegue compreender emocionalmente o outro.

Cães de qualquer raça podem ser treinados para lidar com crianças autistas

Para aquelas famílias que já têm cães, é possível treiná-los em qualquer idade, desenvolvendo assim as habilidades necessárias para o acompanhamento de autistas.

O cão deve interromper crises ou direcionar para comportamentos calmos e centrados. Nesses casos, o treinamento é focado em se colocar à frente do autista em momentos de grande agitação, por exemplo.

Não existe uma especificidade quanto a raça do animal. O fator preponderante são as características da personalidade do cão, como amorosidade, fidelidade e paciência. O animal é treinado para não ter reações que seriam naturais, caso a criança puxe seu pelo, por exemplo.

Criança pode ser acompanhada pelo cão em todas as tarefas do dia a dia

Quando o cão está em serviço em locais públicos, ele deve utilizar uma capa de identificação que permita o acesso a estabelecimentos, sem restrições.

O cão irá acompanhar a criança durante todo o dia, contribuindo para a administração da ansiedade em consultas odontológicas, médicas, atividades acadêmicas, viagens ou compras.

Animais podem ser treinados para se tornarem cães de serviço, de terapia ou de companhia; veja diferenças

Existem três diferentes tipos de cães preparados para auxiliar nesse processo: de companhia, de treinamento e de assistência.

Os cães de serviços são treinados repetidas vezes desde seu nascimento para atender a um determinado paciente, seja com deficiência visual ou autismo, por exemplo. Podem entrar em lugares que são restritos a animais e ficam com o seu tutor durante todo o dia e não podem interagir com terceiros.

Os cães de terapia, que geralmente são de estimação e foram treinados por instituições ou treinadores qualificados para assistir a outras pessoas, principalmente em programas de recuperação.

Por fim, os cães de companhia, que são animais de estimação que cresceram ao lado de crianças e adolescentes diagnosticados autistas ou com outros acometimentos, e sua simples companhia trazem bem-estar e autocontrole para seus tutores especiais.

Yasmine Martins

Yasmine Martins

Psicóloga Clínica formada pelo Centro Universitário São Camilo, com Especialização em Neuropsicologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), aprimoramento em Psicologia Hospitalar e mestrado em Ciências da Saúde Infantil no Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo (IAMSPE).

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.